Artigos

 

No dia 05 de outubro, ‘DIA DAS AVES’, a FOB recebeu a ilustre visita do Pr. Samuel de Mesquita Guimarães da Igreja Adventista, acompanhado de Antonio R. Massaretto , diretor de Patrimônio da FOB, e nos brindou com um texto Bíblico e uma meditação chamada “MEDITAÇÃO MATINAL ADVENTISTA”, a qual temos orgulho de reproduzir.

 Conheço todas as aves dos montes, e cuido das criaturas do campo. Salmo 50:11

Hoje, 5 de outubro, é o Dia das Aves, uma data merecida, pois elas embelezam o planeta, enchem o mundo de cantos e são essenciais para o equilíbrio do ecossistema. As aves sinalizam a vida. Afinal, lugares degradados não têm aves. Adaptadas a uma variedade de ambientes, elas cortam os ares de quase todo o globo, mas se con­centram na região dos trópicos e no hemisfério sul.

No passado, alguns povos literalmente adoravam aves. Atualmente, muitos paí­ses têm aves que os representam. A Áustria adotou a andorinha como símbolo nacio­nal; a Dinamarca escolheu a cotovia; a Alemanha votou na cegonha; a Grã-Bretanha preferiu o robin; a Argentina elegeu o joão-de-barro, lá chamado de homero.

O Brasil ficou muito tempo sem uma ave-símbolo, mas em 2002 oficializou o sabiá-laranjeira como a ave nacional. Entre as 1.677 espécies de aves conhecidas do territó­rio brasileiro, ele recebeu a honra. Foi uma boa escolha. Com seu canto personalizado, o sabiá está presente em muitas partes do país. Ele levanta cedo e, antes de clarear o dia, já está alegrando a vida. Seu canto melodioso virou motivo de várias músicas e até tema de poesia, como a "Canção do Exílio", de Gonçalves Dias: "Minha terra tem palmeiras, / Onde canta o Sabiá; /As aves que aqui gorjeiam, / Não gorjeiam como lá."

Das mais de 9 mil espécies de aves que habitam a Terra, conhecemos em pro­fundidade apenas uma pequena quantidade. Porém, esse conhecimento é sufi­ciente para aumentar nossa admiração por esses seres alados. Desde o tempo dos faraós do antigo Egito, as aves têm sido estudadas. Leonardo da Vinci era fasci­nado pelos pássaros, desenhando-os, dissecando-os e estudando-os em detalhes.

Os ornitólogos e cientistas descobriram muitas coisas sobre o comportamen­to das aves. Mas a visão propagada pelo imaginário popular ainda predomina. Por exemplo, a pomba simboliza a paz; a arara, energia; a gaivota, liberdade; a cegonha, fertilidade; a coruja, sabedoria; o cisne, graciosidade; o faisão, harmonia; o pavão, or­gulho; o papagaio, tagarelice; o beija-flor, beleza e alegria; a águia, triunfo; o pato, fra­queza interior; o cardeal, nobreza; o canário, alegria; o falcão, percepção; o corvo, mistério; o rouxinol, bom presságio; o melro, o paraíso; o galo, o despertar de ideias; o robin (ou tordo), novo começo; e a mitológica fênix, a ressurreição.

Se você fosse uma ave, qual seria? Que ave representa seu comportamento? Qual delas você escolheria como símbolo pessoal? Sua ave tem boas qualidades ou maus costumes? Dê asas para a boa ave em você e corte as asas da má ave em seu cérebro. E saiba que, qualquer que seja sua plumagem, você foi criado para ser uma ave admirável e voar no espaço de Deus.

Pr. Samuel de Mesquita Guimarães